Blog / Artigos

IDOSOS NO MODO ON: UMA RELAÇÃO DE SUPERAÇÃO E DESAFIOS

Artigos 01/10/2021

Em artigo publicado no jornal Estadão, Michelle Campos, terapeuta ocupacional e Coordenadora do Núcleo da Terceira Idade da Holiste, falou sobre a importância da inclusão digital para a qualidade de vida do público idoso.

A tecnologia vem desempenhando um papel essencial na pandemia. Dos mais jovens aos mais velhos, o uso dos aplicativos e ferramentas digitais tornou-se um importante aliado na manutenção de nossas atividades cotidianas, sejam elas sociais, de lazer ou até mesmo laborais. Sem esses artifícios, os danos provocados pela pandemia poderiam ter sido muito maiores.

Hoje, quase tudo passa pela tela do celular, computador ou tablet. É possível pedir um taxi, pagar contas, consultar o saldo no banco, fazer supermercado, pedir comida, comprar roupas, medicações, realizar um atendimento médico ou investir na bolsa. As possibilidades são infinitas, e é essa versatilidade que torna o mundo digital tão atraente e promissor.

Por exemplo: o número de idosos conectados aumentou consideravelmente nesse período. Grande parte deles se tornou hard user das ferramentas digitais e, através das redes sociais, manteve sua integração, socialização, comunicação com familiares e amigos durante o isolamento social. Muitos estão vivenciando uma retomada de sua sociabilidade, facilitada pela praticidade desses programas e aplicativos.

Sabemos que também existem cenários adversos. Alguns idosos encontram dificuldades para se inteirar dessas novas tecnologias: letras pequenas, muitos cliques, novas linguagens ou designs pouco intuitivos; assim, o que era pra ser feito de forma ágil torna-se inacessível. Essa realidade enseja uma reflexão: será que as empresas do segmento digital estão atentas ao perfil desses consumidores?

É preocupante que em pleno século 21, onde em breve seremos o sexto país com maior número de idosos no mundo, muitos serviços ainda não estejam adaptados para atender esse público. Acessibilidade e facilidade de navegação deveriam ser a principal preocupação das empresas, pois idosos possuem uma grande capacidade de consumo. É preciso entender que pessoas idosas possuem a capacidade de aprender a utilizar esses meios, só necessitam de pequenas adequações à sua realidade.

Os serviços precisam entender os fatores inibidores, receios e dificuldades associados à terceira idade, trazendo estratégias que diminuam o abismo que há entre quem desenvolve essas ferramentas e quem as usa. Por sua vez, os familiares também tem um papel importante que não se resume a disponibilizar o equipamento e baixar os aplicativos; é necessário ter paciência, reservar um tempo para ensinar e orientar o idoso a como utilizar as ferramentas digitais, evitando o “fazer por ele” para favorecer sua autonomia.

Os idosos já estão no modo online, conectados, cheios de demandas e desejos, explorando, se lançando no ambiente virtual com a vontade de alcançar uma vida mais independente, autônoma e, acima de tudo, com uma maior qualidade de vida. É a sociedade e o mercado que, ao que tudo indica, ainda não estão preparados para essa nova geração de idosos.

*Artigo publicado originalmente no jornal Estadão: https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/idosos-no-modo-on-uma-relacao-de-superacao-e-desafios/

idosos

 

 

Inscreva-se para receber conteúdo sobre Psiquiatria e Saúde Mental

Cadastrar