Blog / Notícias

BURNOUT AFETIVO

Notícias 04/08/2021

Encontros e experiências amorosas ruins podem levar ao burnout afetivo, fenômeno que surge quando alguém só se envolve em relacionamentos superficiais e se sente desconectada do parceiro.

A Síndrome de Burnout ficou bastante evidente neste período de pandemia devido à brusca mudança de rotina, excesso de trabalho em home office ou até mesmo com o acúmulo de empregos em um delicado momento de crise econômica.

Os sintomas resultam em exaustão psicológica, diminuição da energia, queda de produtividade, queda de imunidade, dores de cabeça, problemas estomacais e crises de ansiedade.

O termo “burnout afetivo” surge em outro âmbito: o dos relacionamentos amorosos. O termo é utilizado para descrever um quadro de exaustão emocional e apatia em que a pessoa não consegue desenvolver um laço afetivo duradouro.

Assim, as experiências amorosas acabam se transformando em grandes decepções. O indivíduo fica frustrado, ansioso, se sente socialmente inadequado e com o risco de desenvolver uma baixa autoestima.

A culpa é dos Apps?

Muitos acreditam que este fenômeno está relacionado com a forma superficial que os relacionamentos modernos têm início nos dias de hoje. Muitos jovens se utilizam da tecnologia, como os aplicativos (Apps) de relacionamento, para encontrar o “amor da vida”.

O grande problema é que na busca desenfreada pela “pessoa certa”, o indivíduo pode se envolver com outras pessoas que, ao decepcioná-lo, podem despertar questionamentos sobre si mesmo e sobre a sua capacidade de se relacionar.

A psicóloga Bárbara Santos explica que nesse jogo de “dar match” o jovem pode perder a clássica capacidade da sedução presencial, do olho no olho e do toque na pele, com todas as incertezas e subjetividades envolvidas:

“As pessoas são muito mais complexas do que uma descrição de perfil. É uma expectativa irreal achar que é possível ter controle sobre como o outro é de verdade com base na seleção que é feita nesse tipo de aplicativo”, acredita a especialista.

Bárbara lembra que, quando o relacionamento não se aprofunda, ele vai ficar sempre nessa esfera de sedução. Segundo ela, isso torna-se insustentável depois de um tempo:

“As pessoas acabam exaustas de viver isso várias vezes e ainda sentem que não se conectaram de verdade com ninguém”, avalia.

Sinais de que você pode estar sofrendo com burnout afetivo

  • Tem baixo interesse em se relacionar com outras pessoas;
  • É indiferente com atividades que antes te davam prazer;
  • Você revive experiências ruins de forma rotineira;
  • Vive se questionando sobre sua capacidade de sustentar uma relação de longo prazo;
  • Tem medo de ser rejeitado ou sente-se incapaz de “encontrar alguém”

Então, o que fazer?

Se você chegou ao ponto de exaustão nos relacionamentos e isso lhe causa um sofrimento intenso, tanto físico quanto psicológico, é fundamental buscar ajuda especializada.

“Falar sobre si e compreender o que está sentindo é um passo importante para entender como chegou até aquele ponto. Permitir-se ficar sozinho naquele momento ou admitir que não tem interesse em se relacionar por um tempo é muito saudável e uma forma de se preservar também”, explica a psicóloga.

Mas, é importante frisar que os aplicativos de relacionamento podem ser uma ferramenta para possíveis encontros. Nesse caso, é preciso estar disposto a viver o encontro inteiramente e estar aberto às possibilidades:

“As particularidades do encontro amoroso moram na espontaneidade, quando erramos, por exemplo. É nesse lugar vulnerável que o amor acontece”, diz Bárbara.

Matéria originalmente publicada em: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2021/07/05/burnout-afetivo-existe-e-prejudica-a-autoestima-e-a-saude-mental.htm

Inscreva-se para receber conteúdo sobre Psiquiatria e Saúde Mental

Cadastrar