Blog / Notícias

Saúde mental das crianças, 3 dicas para protegê-la

Notícias 15/10/2021

A psicóloga Alice Munguba, psicóloga do Núcleo Infantojuvenil da Holiste, destaca pontos importantes para preservar a saúde mental das crianças.

O cuidado com a saúde mental das crianças pode ser um hábito adquirido desde a infância. Com o auxílio dos pais, é possível estabelecer uma relação que privilegia o bem-estar emocional dos pequenos. A psicóloga Alice Munguba, especialista em clínica psicanalítica infantil, acredita que é preciso conversar sobre o tema com as crianças, sem receios, pois elas são indivíduos pensantes.

“Pode parecer simples, mas há poucas décadas as falas das crianças eram desconsideradas, muitas vezes reprimidas ou desqualificadas.  Tratar de saúde mental com a criança é, em primeiro lugar, dar existência à saúde mental dela. Por isso, na hora de conversar com a criança é preciso dar valor aos seus sentimentos e a tratar como o sujeito pensante. Este já é um modo de dar existência à saúde mental dos pequenos”, explica a psicóloga.

Ensinando as emoções

A profissional aponta que existem inúmeras situações em que a criança vai chorar, sentir medo, ter pressa, alegria, entre outros sentimentos. Os pais precisam ler essas emoções e explicar o que elas estão sentindo, ajudando-as a lidar com essas sensações. Para Alice Munguba, o adulto que ignora o que a criança pensa e diz perde a oportunidade de ajudá-la a entender seus próprios sentimentos.

No entanto, a psicóloga faz uma ressalva: “Ouvir a criança e considerar suas emoções também não significa fazer tudo o que ela quer e se tornar refém das suas vontades. Ouvir e dar valor à sua fala significa que o adulto está dando uma dignidade de sujeito a esse ser humano que está se estruturando subjetivamente”.

Dicas para a saúde mental da criança

A psicóloga separou 3 dicas que ajudam a construir um ambiente seguro do ponto de vista da saúde mental para a criança:

Dar valor aos sentimentos: cuidar da saúde mental dos pequenos é, em primeiro lugar, aceitar que a criança é um ser humano pensante e validar o que está sendo falado e sentido. Muitas vezes, a criança não sabe identificar o que está sentindo e, por isso, é importante que os pais estejam atentos para explicar e ajudá-las a lidar com as emoções do dia a dia – alegria, pressa, medo, frustração, entre outras.

Constância Emocional dos Pais: é importante manter a criança ciente que ela é amada pelos pais. “Quando os pais passam por problemas, é comum que tenham menos paciência ou tolerância. Contudo, há algo que deve permanecer estável na vida das crianças: o desejo dos pais em tê-las na sua vida apesar de qualquer circunstância. Quando a criança percebe que os pais não a suportam ou quando eles se acham um peso, isso causa um ambiente muito inseguro emocionalmente”, explica.

Tempo com os filhos – é fundamental que os pais tenham um tempo de qualidade com os filhos. Para a especialista, a atividade em si é o menos importante: “O que está em jogo é a qualidade da atenção que os adultos podem dar à criança enquanto estão brincando, jogando com ela. O quanto se importam e aproveitam estar na companhia dos filhos”, ressalta.

Quando pedir ajuda profissional

Algumas vezes, essa relação encontra desafios que estão além do entendimento dos pais. Nesses casos, existem psicólogos especializados em saúde mental para crianças que podem oferecer apoio ao desenvolvimento dos pequenos e respaldo às ações dos responsáveis. Assim como uma visita ao pediatra, a ida ao consultório do psicólogo pode acontecer em diferentes etapas, contudo, alguns sinais indicam alguma urgência.

“Quando a criança apresentar sintomas, sejam físicos ou comportamentais, como fobias, tiques, insônia, perda severa de apetite ou outros fatores que afetam as atividades do dia a dia, é importante buscar a ajuda de um psicólogo com especialização em clínica infantil ou com experiência no atendimento de crianças”, indica Alice Munguba.

Inscreva-se para receber conteúdo sobre Psiquiatria e Saúde Mental

Cadastrar